segunda-feira, 13 de julho de 2009

Correndo da lata



Tudo começou com uma queda de bicicleta.

Vinha ela com toda velocidade e a doida (uma doida de rua, tipo maluca) mesmo vendo a bicicleta em sua direção se atirou na frente das duas. Se estabacaram ela, a doida e a bicicleta. No chão, procurando os óculos escuros, sem entender ainda, um braço largo aparece estendido para lhe acudir (acudir é estranho, das antigas, ?). Pronto, sininhos tocaram, até o sangue que escorria do joelho cintilava. Bem, todo gostoso ele, mesmo toda estropiada, observou. E lá se foram os dois. Ela com o joelho todo lenhado, os óculos todo torto e ele levando a bicicleta entre eles dois. A conversa e o cheiro mole da paquera foi rolando até chegarem no portão. Pronto, já tinham marcado para o dia seguinte o primeiro amasso.

Amanheceu olhando a ferida e dando risada de tudo. "Caramba, até para me dar bem eu tenho que me lenhar!", falou para si mesma. E de tardinha, no horário e local marcado estava ela. Cabelo lavado, rabo de cavalo, óculos de camelô novo (o chic já era) e um curativo no joelho parecendo uma almofada. Foram parar na varandinha da casa dele depois de uma pizza ali por perto. Mão naquilo, aquilo na mão e ela constata uma coisa: o rapaz é beeem dotado. Mas não passaram daquilo. Ela estava no interior e teve que ir embora. Marcaram para se encontrar na casa de veraneio dela uma semana depois.

Tudo arrumado e lá se foram. Levou na mochila calcinhas novas um monte de coisinhas para usar com ele, na casa só deles, aquele fim de semana. Estavam ansiosos pela noite, que chegou com vinho e tudo. Mas... (é...tem que ter um 'MAS') na hora do rãmirãmi que ela pegou no membro do camarada tomou um susto; parecia uma lata de refrigerante de tãããão grosso. "Puta que pariu, isso vai ter que caber em mim?!?" Num ataque de lucidez encheu ele de vinho e foram dormir. Mas por quanto tempo poderia ela fugir daquilo?!?!?

No outro dia várias tentativas dele e ela correndo léguas 'daquilo'. Meo, correram picula o fim de semana todo, mas teve uma hora que ou ela dava ou ele pirava o cabeção. Fazer o pobre viajar hoooooras, ficar de pau duro dois dias e não dar, seria o fim da picada. SE VIU NUMA SINUCA DE BICO (aê Jorge!). E olha, do que ela corria era pior que o taco de 'sinuca'.

Ela deu. Ela deu e se fudeu... até hoje não esquece. Deveria ter se fingido de morta depois da queda da bicicleta, deveria ter chamado o SAMU, deveria ter cuspido na ferida e seguido andando mas não, aceitou a ajuda do escoteiro fake, do camarada-circunferencia-de-lata-de-refrigerante.

É meu povo, ela não foi nem tããão burra, mas deveria ter sacado: laranja madura na beira da estrada, desconfie Zé, tem circunferencia de lata.

Himm homm

9 comentários:

Cris disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk uito boa, eu inventária um passeio de bibicleta e dessa vez tentava amssar a lata, dessa vez sem querer, Lata amssada só presta em processo de reciclagem, e olhe lá. Ai catiguria só no próximo encontro, com outro alguém não eu! rsrsrs

Ric Dexter disse...

Háaa, conheço essa história... alguém que conheço passou por algo beemmm parecido. hehe!

Beijos.

george araújo disse...

kkkkkkkkk
e ainda por cima, depois de ler seu texto, só falta ric dizer q já disseram "isso" pra ele...
kkkkkkkk

e se não tem prazer, não presta, né!?



bjos querida
obrigado pela visita
volte sempre que puder e quiser - hehe
>>

Dani disse...

Hahahahahha
hahahahahaha
putz estas latas..grossas e..
são um horror..
E depois?
Hummm..assadura e quem sabe uns traumas..
hahahahahahaha
beijos

Faxina

Dani (ela) disse...

mirrindo muito!

por esses dias, toda vez que botar uma lata na boca (lá ela!) vou lembrar dessa bendita estória!

Kenia Mello disse...

Uma vez no inferno, o negócio é abraçar o capeta (e o tubo de KY)! Hehehe

Cristal - a louca. disse...

UHAHUAHUAHUAHUAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHA.

Porra. Tipos, nem. Nem com cuspe.
Nem com sorte reza brava e boa vontade.
Nem com tá... chega parei. Deu pra entender a idéia né?

Beijundas ^^

A gente sempre querendo interagir... humps.

*Gostei do pedaço, voltarei mais ^^

Juliana Rocha disse...

kkkkkkkkkkkk Só me imaginei correndo de uma porra dessa! kkkkkkkkk
Muito bom! Virei seguidora!

Jéssica, a antropofágica disse...

kkkkkkkkkkkkkkk! Eiiiii, muito boaaaa! Se eu te contar que já passei por isso também...pensei que não ia sobreviver! Mas não é que tô aqui agora?
A vida é uma coisa estranha...rs
Beijos